Telemedicina
-
7/7/2021

Exame ECG - Como alinhar o eletrocardiograma com a tecnologia?

O exame ECG é um dos testes cardíacos mais comuns e mais importantes que existem, mas você sabia que é possível alinhar essa avaliação com a tecnologia?

Novos equipamentos médicos permitem que os eletrocardiogramas sejam executados em questão de minutos, além de acompanhar laudos completos e diagnósticos mais rápidos.

Dessa forma, é possível oferecer um atendimento completo ao paciente, otimizando a consulta e propondo tratamentos ainda mais eficientes.

No entanto, para aplicar essa avaliação corretamente, é importante conhecer mais sobre como ela funciona e quais os mecanismos que podem auxiliar na modernização dos testes.

Por isso, confira o guia especial que preparamos sobre o exame ECG, o que é, como ele é feito e como aperfeiçoá-lo com as novas tecnologias.

O que é o exame ECG?

Exame ECG, conhecido como eletrocardiograma ou eletrocardiografia, é um exame de avaliação da atividade elétrica do coração.

Por meio da fixação de eletrodos na pele próxima à caixa toráxica, existe a possibilidade de detectar o ritmo do coração, o número de batimentos por minuto e eventuais desregulações cardíacas.

A movimentação feita por esse órgão gera pequenos impulsos elétricos, que contraem o músculo possibilitando a execução das atividades motoras.

Dessa forma, o aparelho mede a quantidade de eletricidade gerada a cada batimento e, assim, determina inúmeras informações sobre o coração do paciente.

Além disso, o exame ECG é essencial para detectar uma série de doenças e disfunções, como:

  • Taquicardia;
  • Aumento das cavidades cardíacas;
  • Infarto;
  • Distúrbios elétricos;
  • Arritmias;
  • Hipertrofias;
  • Pericardite;
  • Doenças genéticas.

Por isso, é importante não apenas oferecer o eletrocardiograma na sua clínica, como também investir em tecnologias que o tornem eficiente, rápido e moderno.

Como o exame ECG costuma ser feito

Para fazer o exame ECG, o paciente deve se deitar em uma maca, de barriga para cima, fixado a um eletrocardiógrafo. 

Atualmente, esse aparelho é portátil, de modo que pode ficar próximo ao paciente para registrar a avaliação no computador.

Enquanto isso, o profissional deverá colocar eletrodos em diversas regiões do corpo do paciente, grudados à pele dos braços, próximo ao punho, nas pernas e no tórax.

Dessa forma, será possível captar as contrações elétricas no coração e as repercussões a distância.

Para facilitar a captação desses estímulos, geralmente o profissional utiliza gel condutor sobre a pele, esterilizada com álcool.

Além disso, os eletrodos costumam ser fixados com a ajuda de braceletes e ventosas de borracha, sem a necessidade de instrumentos invasivos, como agulhas.

No geral, um exame ECG leva de 5 a 10 minutos para ser concluído.

Preparo do exame ECG

O exame ECG não possui contraindicações, mas existem alguns preparos que auxiliam durante a avaliação.

A pele não pode ter aderências ou muitos pelos, de modo que recomenda-se depilar o local antes do eletrocardiograma.

Caso a região seja muito oleosa, também é recomendável o uso de produtos e limpeza.

Além disso, é importante que o paciente informe o uso de medicamentos diários, que podem influenciar nos resultados.

O eletrocardiograma não pode ser feito com jóias no pescoço, braços ou pulsos. 

Também não se recomenda a prática de exercícios físicos nos últimos 10 minutos que antecedem o exame ECG, por conta de possíveis alterações, além de evitar fumar nos últimos 30 minutos.

Grávidas e lactantes devem confirmar com seu médico a possibilidade de realizar o eletrocardiograma.

Por que o exame ECG pode ser atrelado à Telemedicina?

A telemedicina é um conceito recente que vem ganhando força na área da saúde, por proporcionar diversos tratamentos e avaliações a distância, com o auxílio da tecnologia.

Além disso, muitos exames estão sendo realizados neste modelo, por conta de benefícios como praticidade, acessibilidade remota e redução de custos.

Embora o eletrocardiograma seja um exame que deve ser feito presencialmente, ele também pode ser atrelado à telemedicina.

Isso porque muitas clínicas não exigem mais a presença de um médico especialista no local de realização do exame ECG.

Nesse caso, apenas a equipe que manuseia os equipamentos precisa estar presente, podendo enviar os resultados instantaneamente para o cardiologista pela internet.

Dessa forma, o médico avalia o exame e pode, inclusive, dar continuidade à consulta com o paciente pelas plataformas digitais.

Assim, uma vez que o procedimento do eletrocardiograma permite essa operação híbrida, o exame pode ser associado à telemedicina, inclusive apresentando evoluções satisfatórias.

Principais exames ECG complementares, que podem utilizar a tecnologia a favor

É claro, além do exame ECG, outras avaliações cardíacas complementares já estão utilizando a tecnologia a seu favor.

Por exemplo, a ecocardiografia, que estuda a anatomia do coração por meio de ultrassom, uma técnica não-invasiva de extrema eficiência.

Além disso, o teste ergométrico, conhecido como teste de esforço, também pode utilizar sistemas de ponta para emitir os resultados da avaliação física do paciente, medindo seu funcionamento cardiovascular de forma instantânea.

Outra novidade que se tornou possível com o uso de sistemas modernos é a cintilografia do miocárdio, que avalia o fluxo de sangue no coração com Gamas Câmaras, de forma pouco invasiva e sem grandes quantidades de radiação.

Assim, o diagnóstico de doenças cardíacas se torna ainda mais preciso e rápido.

Com as novas tecnologias, esses exames auxiliares e cotidianos podem apresentar máxima eficiência, com monitores em tempo real e emissão de laudos no mesmo instante.

Dessa forma, o paciente poderá receber tratamentos mais eficientes em menor tempo.

IA aliada ao ECG: Quais os principais ganhos?

Além das facilidades que a inteligência artificial pode trazer para exames como o eletrocardiograma, também existem outros ganhos que essa tecnologia proporciona.

Segundo informações da Sociedade Brasileira de Cardiologia, aproximadamente 190 mil pessoas morreram por doenças cardiovasculares no Brasil apenas em 2021.

Muitas dessas condições poderiam ter sido tratadas caso descobertas a tempo, por meio de exames cardíacos.

Dessa forma, utilizar os recursos de inteligência artificial para auxiliar na avaliação de pacientes pode otimizar o tempo das consultas, permitindo que mais pessoas façam os exames.

Além disso, essas tecnologias tornam o exame ECG mais acessível, alcançando um maior número de pacientes.

Com a IA, os profissionais de saúde poderão analisar os resultados mais rapidamente e até mesmo identificar possíveis condições de forma instantânea.

Em termos práticos, as tecnologias de inteligência artificial também são investimentos modernos, que podem reduzir o custo com equipamentos manuais e equipes de operação.

Junto às inovações da telemedicina, a inteligência artificial nos exames cardíacos também está se tornando uma realidade na área da saúde, prometendo inúmeras vantagens para pacientes e profissionais.

ECG com laudo médico: Quando é possível usar?

O exame ECG com laudo médico é uma modalidade de avaliação, que acompanha a interpretação médica de um profissional.

Nesse caso, o laudo médico pode ser solicitado para a confirmação de um diagnóstico, por exemplo, quando é necessária a opinião de outro especialista.

Além disso, o eletrocardiograma com laudo também pode ser importante para avaliações pré-cirúrgicas, confirmando a condição do paciente para realizar a operação.

Nesse caso, vale a pena confirmar com o médico a necessidade do laudo médico no exame ECG.

A avaliação específica do profissional segue impressa no eletrocardiograma impresso e, em versões mais modernas do exame, acompanha o envio por meios digitais.

Vale a pena contar com a tecnologia durante o exame ECG?

Algumas pessoas podem acreditar que exames tradicionais como o eletrocardiograma não podem contar com as novas tecnologias na área da saúde. 

No entanto, é possível sim aplicar inovações nessa avaliação, como também é recomendável procurar por essas alternativas.

Desde sistemas de envio de exames, aparelhos portáteis, até inteligências artificiais que emitem diagnósticos, existem diversas tecnologias disponíveis para o ECG.

Por isso, vale a pena estudar as novas possibilidades para a sua clínica, para torná-la mais moderna e prática, oferecendo o melhor atendimento possível para os pacientes.